A importância da realização do teste do pezinho

É sempre a maior alegria para um casal quando há o nascimento de um bebê. O planejamento de muito tempo se torna realidade e durante os 9 meses que a mãe carrega a criança em seu ventre, as famílias do casal voltam a atenção para o sucesso no desenvolvimento do feto e também para a curiosidade de ver os traços do rosto da criança.

A admiração é sempre algo inevitável pois o nascimento de uma nova vida é algo mágico e que mexe com o emocional de qualquer um. Assim, cuidar da saúde desde os primeiros minutos de vida do recém-nascido é a principal tarefa dos pais, o que inclui a realização do teste do pezinho.

Gratuito no Brasil desde 1992, esse exame é de crucial importância para a manutenção da qualidade de vida do bebê e deve ser realizado até os primeiros cinco dias de vida da criança. Ele é tão fundamental no processo de nascimento que ganhou um dia especial de comemoração, datado para o dia 6 de junho.

Esse exame é uma triagem neonatal realizada de forma fácil, pois há apenas uma leve picada no pé do neném em seu calcanhar que pode salvar a vida dele. Com essa atitude, o médico consegue detectar de forma precoce algumas doenças sérias que podem prejudicar o crescimento da criança.

Os maiores exemplos são fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, fibrose cística, anemia falciforme, hiperplasia adrenal congênita e a deficiência de biotinidase. Conheça um pouco mais sobre cada uma delas:

  • Fenilcetonúria

Deficiência do aminoácido fenilalanina. O acúmulo no corpo do bebê pode causar deficiência mental.

  • Hipotireoidismo congênito

Falta do hormônio da tireoide. Isso pode causar retardo mental e complicação do desenvolvimento físico.

  • Fibrose cística

Causa as infecções respiratórias e gastrointestinais, nos pulmões e pâncreas por causa do aumento da viscosidades das secreções. É incurável.

  • Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias

Alteração da hemoglobina que dificulta a circulação, podendo afetar quase todos os órgãos. Essa doença pode causar anemia, atraso no crescimento e dores e infecções generalizadas. Também é incurável.

  • Hiperplasia adrenal congênita (HAC)

Seu caráter é genético e atinge duas glândulas suprarrenais que se localizam acima dos rins, que ficam impedidos de funcionar corretamente, o que prejudica a produção de hormônios essenciais para o corpo, como o cortisol e a aldosterona.

  • Deficiência de biotinidase

Também tem o perfil genético, no qual o organismo não é capaz de obter a enzima biotinidase, o que atrapalha o processamento do metabolismo de alimentos pelo organismo.