Entenda de uma vez por todas  o que significa o termo genérico

Doenças podem acometer qualquer indivíduo e de uma forma que muitas vezes não é prevista pelas pessoas atingidas. Quando alguém fica com a saúde debilitada, é natural existir a preocupação que culmina em uma consulta com um especialista da área de saúde. Seja pelo sistema de saúde público ou então de forma particular, é fato que após a visita de um médico, a pessoa que não está bem provavelmente recebe uma receita para os medicamentos que devem ser ingeridos na busca pela cura e restauração do organismo. Com isso, surge a curiosidade sobre os remédios genéricos que invadiram as farmácias de todo o país e oferecem opções diferenciadas para o consumidor.

Um remédio desse caráter geralmente ocupa boa parte das prateleiras de lojas de medicamentos que estão próximas das residências das pessoas. Ao pedir orientação de um farmacêutico, muitas vezes a melhor justificativa para a compra do genérico está no preço que se encontra mais acessível e barato.

Os profissionais também alegam, em alguns casos, que esse perfil de remédio possui a mesma fórmula do original, o que causa mais confiança pois o comprador pensa que está com o mesmo medicamento mas por um preço mais em conta.

Existem basicamente três principais diferenças encontradas entre os remédios originais e aqueles que são considerados de outra linha. O primeiro deles é o medicamento conhecido como “de referência”. Estes possuem índice de eficácia terapêutica e comprovação certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Existem três regras gerais que certificam um remédio como “de referência”.

Ele precisa ser homeopático, filoterápico ou então alopático. Além disso, deve haver comprovação laboratorial e de estudo sobre sua segurança e qualidade. Já os remédios genéricos são aqueles nos quais há o mesmo princípio ativo químico de um remédio de referência. Ou seja, sua embalagem possui a letra G e uma tarja amarela de identificação.

Os genéricos têm sua fase de produção com aprovação e teste da ANVISA para a substituição de um medicamento de referência. Além do mais, sua fabricação ocorre depois do período de expiração ou renúncia da patente e de outros direitos de exclusividade do medicamento. Para mais informações, consulte um profissional da área.